Avenida Carlos Gomes, 1492 - Sala 1411
Telefone (51)3391.5092
E-mail: nutricionista@vanessaleite.com.br

Estacionamento com ou sem manobrista
(à escolher) 24h
Vigilância 24h

Estamos em novo endereço

Mídia

ZERO HORA (caderno VIDA) conta com Vanessa Leite para falar sobre AFRODISÍACOS

Publicado no dia 26/2/2015

Afrodisíacos: eles realmente funcionam?



Diversos alimentos são conhecidos por incitar a libido sexual, mas a ciência mostra que poucos têm mesmo esse poder





07/02/2015 | 06h02


Afrodisíacos: eles realmente funcionam? Divulgação/Divulgação
Foto: Divulgação / Divulgação




Leve uma panela ao fogo, derreta manteiga, mel e jogue algumas passas. A seguir, acrescente claras batidas, gemas, farinha e uma pitada de sal. O mágico resultado dessa mistura é capaz de aguçar até os sentidos mais adormecidos, proclamou a escritora chilena Isabel Allende em Afrodite. Na obra, Isabel disserta sobre a secular relação entre os prazeres da comida e o desejo carnal. O nome que intitula o livro — da deusa do amor, da beleza e da sexualidade na mitologia grega — é também a origem da palavra "afrodisíaco", termo dado aos alimentos que alcançaram o patamar de estimuladores do desejo sexual. 



Saiba quais são os alimentos que podem trazer estímulos na hora do sexo



Antes vistos como mero folclore, os efeitos estimulantes de alguns nutrientes começaram a despertar o interesse da ciência. Enquanto os mecanismos bioquímicos desses alimentos seguem sendo desvendados, as conclusões a que se tem chegado não são muito animadoras para aqueles que querem, literalmente, apimentar a relação. 



— Comprovações sobre ação afrodisíaca de alimentos são raras, mas alguns estudos mostram que certas substâncias têm efeitos positivos na vida sexual, principalmente por exercerem papel importante no equilíbrio hormonal ou por apresentarem uma ação estimulante — explica a nutricionista Vanessa Leite, especialista em Nutrição Clínica e Esportiva.



Açafrão e ginseng no topo da lista



Um dos trabalhos mais completos sobre o tema foi produzido na Universidade de Guelph, no Canadá. Ao examinarem centenas de estudos sobre os alimentos considerados afrodisíacos, os pesquisadores concluíram que, entre os únicos nutrientes capazes de melhorar o desempenho sexual, estão o ginseng — uma raiz de origem chinesa — e o açafrão —, usado como tempero. Esse último contém carotenoide, uma substância que induz a produção de óxido nítrico nos vasos sanguíneos, melhorando a circulação local e, consequentemente, a função erétil. Em mulheres, parece favorecer a excitação e a lubrificação vaginal. Álcool e chocolate, quando consumidos com moderação, também podem contribuir para aumentar o desejo, apontaram os pesquisadores.



Outro componente que tem se destacado é o zinco, um micronutriente presente em alimentos como frutos do mar e amêndoas. Ainda que não colabore para aumentar o apetite sexual, ele ajuda a manter os níveis adequados de hormônios masculinos e femininos, promovendo a saúde reprodutiva. 



— Todos os alimentos ricos em zinco e ácido fólico são importantes para a maturação do óvulo, a implantação do embrião e o crescimento fetal, assim como a produção e maturação do espermatozoide — diz Joselaine Sturmer, nutricionista clínica e mestre em Gerontologia e Geriatria. 



O papel do estilo de vida



A ciência dos alimentos afrodisíacos reúne mais dúvidas do que certezas. Enquanto alguns especialistas defendem que um alimento, isolado, não tem o poder de melhorar a libido, outros apostam e recomendam determinados cardápios para consumir antes das relações sexuais. O que é consenso é o poder abrangente de uma alimentação balanceada para garantir o sucesso na vida amorosa. 



— A libido e a função sexual, em geral, são comandadas pelo sistema nervoso. Embora haja estudos demonstrando a influência positiva de alguns alimentos, esses, por si só, não farão um efeito mágico. Somente um estilo de vida saudável, com uma dieta que contenha esses elementos, irá proporcionar os benefícios almejados — explica a nutricionista Sônia Alscher, professora do curso de Nutrição da PUCRS. 



Estimule as fantasias



O chocolate é um dos mais famosos alimentos afrodisíacos. Ganhou esse status por aumentar os níveis de substâncias cerebrais associadas ao prazer, como a endorfina. Ao ser conhecido como um alimento que representa paixão e desejo, o chocolate traz à tona outro aspecto da relação entre alimentação e prazer sexual que diz respeito aos sentidos, às memórias e às histórias.



Segundo a sex coach Paula Fernanda Andreazza, os alimentos têm o papel de estimular diferentes sentidos na relação a dois, seja pelo tato, olfato ou visão.



— Um dos efeitos mais positivos de incluir cardápios específicos à rotina do casal é trazer mais confiança, sensualidade, criatividade e conexão para o ato sexual, já que os dois parceiros estarão envolvidos em algo lúdico, ativando novas áreas no cérebro e explorando novas formas de comunicação e sensações, o que aumenta a intimidade — diz Paula.



E aqui entram os mais diversos alimentos, desde aqueles que despertam o desejo por se parecerem com órgãos sexuais — como o pepino, o morango e o pêssego —, os que remetem a memórias — temperos típicos de regiões para onde o casal viajou, por exemplo —, até aqueles que provocam e aguçam os sentidos pelos cheiros.



— A baunilha pode estar na sobremesa ou em favos no quarto para estimular o olfato, ativando áreas no cérebro que induzem ao relaxamento e à sensualidade — recomenda a especialista.



Saiba quais são os alimentos que podem trazer estímulos na hora do sexo



Afrodisíacos não podem, sozinhos, melhorar o desempenho sexual, mas são capazes de incitar sentidos



07/02/2015 | 06h01


Saiba quais são os alimentos que podem trazer estímulos na hora do sexo Sanja Gjenero/stock.xchng
Foto: Sanja Gjenero / stock.xchng




Ainda que os alimentos não possam, sozinhos, melhorar a vida sexual, alguns nutrientes são capazes de trazer estímulos na hora do sexo. Saiba quais são eles:



Afrodisíacos: eles realmente funcionam?



Para facilitar o orgasmo



Ômega 3

Encontrado em:
 salmão, sardinha, atum, nozes, castanhas e semente de linhaça 

Efeitos: aumenta os níveis de óxido nítrico, fundamental para ereção, permitindo a entrada de sangue no pênis. Auxilia na lubrificação feminina



Potássio e vitaminas do complexo B 

Encontrados em:
 banana e abacate 

Efeitos: ajudam a aumentar a libido masculina



Polifenóis 

Encontrados em:
 uva, chá verde e vinho

Efeitos: aumentam os níveis de óxido nítrico



Licopeno

Encontrado em:
 tomate, goiaba e melancia

Efeitos: melhora o fluxo sanguíneo



Arginina 

Encontrada em:
 castanhas, uva-passa, pipoca, melancia, aspargo, nozes e castanhas

Efeitos: promove a vasodilatação, o aumento do fluxo sanguíneo e libera óxido nítrico 



Álcool 

Encontrado em:
 vinho, champanha

Efeitos: aumenta o nível de testosterona na mulher. Mas exige cuidado, pois álcool em excesso diminui a libido de ambos os sexos



Capsaicina

Encontrada em:
 pimenta 

Efeitos: estimulante para o corpo, aumenta a sensibilidade das terminações nervosas, a frequência cardíaca e a circulação sanguínea



Para aumentar o desejo



Fibras solúveis 

Encontradas em:
 aveia e cereais 

Efeito: elevam o nível de testosterona



Gordudras poliinsaturadas 

Encontradas em:
 nozes, castanhas, amêndoas 

Efeitos: elevam o nível de testosterona e auxiliam o funcionamento dos hormônios sexuais



Selênio 

Encontrado em:
 castanha-do-pará, gema de ovo, farinha de trigo e camarão

Efeito: ajuda na produção de testosterona



Tiamina e feniletilamina 

Encontradas em:
 chocolate 

Efeitos: estimulantes, aumentam a liberação de substâncias cerebrais associadas ao prazer, como a serotonina, deixando a pessoa mais relaxada durante o ato sexual. Prefira o amargo, que tem mais cacau e menos açúcar e gordura




FONTE TABELA: nutricionista Vanessa Leite, especialista em Nutrição Clínica e Esportiva.



Arquivos anexados:

Categorias

 

 

Arquivo